Posts Tagged ‘instalação’

Natal presente de Luz da CELPE

April 6, 2016

Vídeo por Mozart Santos

Em 2013, recebi o convite do artista plástico Mozart Santos para colaborar com ele e a ilustradora Simone Mendes em uma instalação interativa. O trabalho foi comissionado pela Companhia Energética de Pernambuco (CELPE) para a celebração de seu natal comemorativo de 2013.

As ilustrações de Simone Mendes

A instalação—desenvolvida em AnimataOSCeleton a partir de dados coletados por um Kinect—permite aos visitantes controlar os desenhos de Simone a partir do movimento do corpo. O resultado foi projetado na fachada do prédio da empresa em Recife-PE.

Demonstração do sistema

A instalação final na fachada do prédio da CELPE, em Recife.

Beberibe

September 26, 2015

 

Vídeos de Luiz Pessoa

No final de 2013, a convite de Beto Viana, tive a felicidade de participar de um projeto multidisciplinar sobre o rio Beberibe, em Recife-PE. Foram alguns meses de vivência, com visitas de campo, discussões e aprendizagem. Guardo lembranças contraditórias desses dias: beleza, indignação, a criança que brinca com o porco na meio do caos, o nojo e a pureza, a boneca sem cabeça, a cor marrom, a transformação dos extremos…

O resultado—a instalação “Beberibe”—ficou em exposição na Galeria Virgílio, no b_arco, em São Paulo, durante 25 de Janeiro e 6 de Março de 2014. Foi um trabalho coletivo, em que tive a oportunidade de colaborar com pessoas de grande talento: Antonio Melcop; Beto Viana; Carla Sarmento; Celso Hartkopf; Daaniel Araujo; DJ Dolores; Luiz Pessoa; e VJ Pixel. Pessoal, obrigado!

Imagens retiradas do site da memeLab—responsável pelo vídeo mapping

“O rio Beberibe serpenteia por Olinda, chega até o Recife e deságua no Oceano Atlântico. Entre a pureza de suas nascentes e seu fim, no centro da capital pernambucana, a realidade dos desacertos urbanísticos, da miséria e do esgotamento de sua vitalidade. Elaborada a partir de instalações, fotografias, ilustrações, vídeos, entrevistas e recortes sonoros, a exposição multissensorial Beberibe retrata a ação humana e sua interferência no rio, desde sua nascente límpida até as condições da mais extrema pobreza e degradação. É uma obra coletiva onde o visitante é convidado a conhecer a vida do rio e dos habitantes do seu entorno. Mais que uma precisa metáfora da degradação da cidade, um retrato poderoso que nos adverte sobre o futuro e faz suspirar aqueles mais velhos que lembram da harmônica simbiose entre o rio e o homem”.

Infelizmente, não possuo registros desse trabalho. O que se segue são registros que pude encontrar na internet quase dois anos após o evento. Minha contribuição foi conceitual, nas discussões sobre como integrar tantas linguagens distintas em uma unidade.

“Uma casa sobre a água, suspensa por palafitas. Do lado externo, madeiras, flandres, papelão, folhas de compensado, etc. Há uma ponte curta que é preciso percorrer  para entrar na casa pois as águas embaixo são turvas e repletas de lixo plástico, garrafas de vidros, garrafa pets, pedaços de madeira, destroços de um modo geral. Vê-se também pequenos corpos nus a flutuar, carrinhos, uma bola furada…. São brinquedos ordinários para nos fazer lembrar a infância em torno daquele ambiente.

O interior da casa contem um sofá, um rádio (…). É uma mobília desgastada, aparentemente recolhida no lixo de alguém. Do rádio vem vozes dos mais velhos, pessoas que conheceram o rio em tempos em que se nadava, pescava, uma época pré-poluição, perdida na memória daqueles cidadãos. (….) Há monóculos que contém fotos de moradores da beira do rio.

Duas janelas nas laterais do barraco estão semi-abertas. Ao abri-las, nos deparamos com margens distintas-o início e o fim”.

Ilustrações de Celso Hartkopf

Cenografia de Carla Sarmento

FLYER_VIRTUAL_BEBERIBE_BAIXA

Vídeos por Luiz Pessoa

1545805_10202990983721078_1808803221_n

Espelhos Recursivos: Momentos, Pessoas e Lugares

October 13, 2010

tive nos últimos dias o grande prazer de participar do Festival Contato, na cidade de São Carlos, São Paulo, com várias figuraças como Panetone, Jarbas Jácome, Ricardo Brazileiro, entre outros. o Festival foi excelente; conheci pessoas legais, festas e shows inesquecíveis, uma galera pra lá de gente fina na organização…. coisa fina mesmo!

além da oficina que demos por lá (muito bacana, por sinal), acabei levando também um novo trabalho desenvolvido especialmente para o Festival, sobre o qual pretendo falar um pouco mais neste post: o “Espelhos Recursivos”.

 

um dos Espelhos Recursivos

 

o “Espelhos Recursivos” é uma instalação interativa descentralizada, que se baseia no diálogo de pequenas unidades reflexivas independentes – os Espelhos Recursivos – para estabelecer conexões simbólicas entre momentos, pessoas e lugares, utilizando para isso uma metáfora digital para os espelhos comuns.

Nela, cada um desses Espelhos – formados por um computador, uma webcam e uma saída de vídeo (uma televisão ou um monitor), além de estarem localizados em diferentes locais de uma região da cidade – age de maneira semelhante: o presente refletido sofre uma releitura em tempo-real, passando a ser composto por frames antigos captados por todos os Espelhos da instalação, que passam a exercer o papel de “pixels” do vídeo original.

 

Crianças brincando com um Espelho Recursivo no Festival Contato

 

Dessa forma, cada Espelho Recursivo acaba exibindo um resultado único: um mosaico do presente – fruto das relações entre momentos situados em diferentes contextos de tempo e/ou espaço, através da interação Visitante-Espelhos.

Inspirado no Estereoscopia, de André Parente, e no Espelho Recursivo, o trabalho é um projeto Open-Source desenvolvido em C++, usando Openframeworks, sendo concebido e desenvolvido por Jeraman.

Mais fotos podem ser encontradas no Flickr:

http://www.flickr.com/photos/jeraman/sets/72157625032747919/

O código-fonte do projeto pode ser encontrado para download no github (projeto desenvolvido na versão do OF v0.06, no Codeblocks, para Linux):

http://github.com/downloads/jeraman/jeraman.lab/espelhos%20recursivos.zip